Santana de Macabu em Macaé

Santana de Macabu e Cabiunas (ERJ 585 a ERJ 588)

Introdução

Não encontrei o topônimo “Santana de Macabu” (na grafia da época Sant’Anna de Macabú) em documentos históricos ou geográficos. Em contraste, a referencia a uma agencia com esse nome na literatura postal é relativamente extensa e na ferroviária há também informações sobre uma estação “Sant’Anna”. Sobre estas discorrerei a seguir.

1832: a primeira referência

A primeira referência que conheço está no relatório “Agencias do Correio do Imperio” publicado em 1885 [1], que traz as datas de suas criações e dados de 1880 a 1884. Imagens da capa e da página onde consta a agencia:

Esse relatório, que apresenta dados normalmente bastante confiáveis, lista a “freguesia de Sant’Anna de Macabú” com agencia de 3ª classe criada em 1832. Isso a classificaria como uma das mais antigas agencias do estado. Tenho ressalvas com essa informação, pois não há outro registro dessa agencia ou dessa localidade em documentos da época. Por exemplo, ela não consta do Diccionario geographico, historico e descriptivo, do imperio do Brazil publicado em 1845 [2], nem do Guia Postal de 1856 [3] – nesse último, seja como agencia ou como localidade.

1875: a data de criação da agência

De fato, a primeira menção a uma agência só viria a aparecer no artigo de 1958 na revista Brasil Filatelico de autoria do colega Itamar Bopp [4]. Nesse artigo, ele relaciona as agencias do estado do Rio ativas em 1875, entre elas “Sant’Anna do Macabú”. Essa é a data que adotei no site (ERJ 585). É claro que a agencia pode ter sido criada antes, mas não consegui a informação.

Nota: nesse mesmo verbete, o autor aponta o local como freguesia e informa a data de sua criação pela lei provincial n° 517 em 4 de maio de 1850. Teria sido uma ótima referência mas, infelizmente, houve um engano do colega, visto que a referida lei trata de fato da criação da freguesia de Santana do Japuíba, no município de Santo Antonio de Sá, atual Cachoeiras de Macacu [5].

Por outro lado, faz sentido a existência de agencia em 1875, uma vez que a estação no local foi inaugurada poucos meses antes, conforme veremos a seguir.

1874: a EF Macae e Campos  e a estação Sant’Anna

A inauguração do segundo trecho da EF Macae e Campos (Macaé-Santa Fé de Macabu) aconteceu em 10.10.1874 [6]. A primeira menção à estação encontrei no documento Nomenclatura Corographica de 1878: “Estação de Santa Anna, EF Macahe e Campos” [7]. O mesmo verbete aparece no Guia Postal de 1880 [8].

Os mapas que apresento abaixo indicam o local da estação Sant’Anna nessa linha. Note que, no primeiro, Macahe e Carapebus têm anotação de cidade, enquanto S. Anna de estação. O mesmo acontece no de 1892. Esse local no futuro será o da localidade de Cabiunas como veremos a seguir. Note ainda que nesse mapa aparece a freguesia de Barreto, futuramente sede de distrito, como veremos adiante.

Qual teria sido a razão da escolha desse local para estação?

Mapa postal de 1888 Diretoria dos Correios (imagem BN)

Mapa 1892 Laemmert & Cia (imagem IHGB)

1892: a estação de Cabiúnas

Em 14 de setembro de 1892 a Leopoldina publica aviso de renomeação de uma série de estações, inclusive a de Sant’Anna para Cabiunas [9]. Como já encontrei Cabiunas citada nas linhas de malas do Relatório Postal de 1893, é de se supor que a agencia tenha acompanhado a mudança da estação. O Guia Postal de 1906, muito detalhado, confirma no verbete Sant’Anna de Macabu “vide Cabeunas” e neste, “antiga Sant’Anna de Macabu”.

Conclusões e situação atual

Como se deduz pela nomenclatura ferroviária, a localidade deve ter se chamado originalmente Sant’Anna (embora, repito, dela não tenhamos nenhum documento). Por ser um nome muito comum, os Correios, para diferenciá-la ao criar a agência, devem ter adicionado ao nome o aposto “de Macabu” – comum na região. Como vimos, a partir de 1892 a estação adotou o nome de Cabiúnas enquanto a agencia ainda retornou ao nome original por algum tempo até que em 1916 alinhou definitivamente seu nome ao da estação. A agencia existiu até 1978, última vez que constou em um Guia Postal.

O IBGE nos informa que em 1857 na região foi criado o distrito de São José do Barreto (nº7 no mapa), renomeado Cabiúnas em 1939 (nº9) e Barra de Macaé (nº6) em 1969. Em 1998 o distrito foi extinto e hoje o local abriga uma zona industrial ligada ao setor petrolífero.

Tabela resumo

Notas e informações

[1] Tabela de agencias do Império publicada em 1885. Organizada pela Fefibra.
[2] Por J. O. R. Milliet de Saint-Adolphe, publicado pela Casa J. P. Aillaud Paris, 1845
[3] Administração e Agencias do Brasil em 1856 publicado no Rio de Janeiro por Nicolau Lobo Vianna & Filhos.
[4] Artigo “Correios na Província do Rio de Janeiro” publicado no Brasil Filatelico nº118 em junho de 1958 pelo filatelista Itamar Bopp. Nesse artigo, Bopp apresenta uma lista das 92 localidades que possuíam agencias postais ativas no ano de 1875. Em cada uma delas, o autor aponta a data da criação da localidade e o respectivo documento oficial.
[5] Lei nº 517, de 4 de maio de 1850 – Art.1º O arraial de Sant’Ánna termo de Santo Antônio de Sá, é erecto em freguezia, com a mesma denominação. Art.2º O território da nova freguezia será desmembrado do da freguezia da Santíssima Trindade, e terá os limites que forem marcados pelo Presidente da Província, com approvação da Assembleia Legislativa Provincial. Art.3º A nova freguezia ficará pertencendo ao município de Santo Antônio de Sá, servindo-lhe de matriz a capella de Zózimo Ferreira da Silva, que para esse fim cede. (JUNIOR, Desidério Luiz de Oliveira. Estado do Rio de Janeiro – Legislação sobre os municípios, comarcas e distritos 1835 – 1925. Rio de Janeiro: Typ. do Jornal do Commércio, 1926). Citado por Vinicius Maia Cardoso em seu artigo sobre Cachoeiras de Macacu (2016).
[6] Materia no Diario do Rio de Janeiro, edição de 14 de outubro de 1874.
[7] Nomenclatura Corograhica do Imperio do Brazil. Annexo -A- da Guia Postal. Typographia Nacional, Rio de Janeiro 1878.
[8] Guia Postal do Imperio do Brazil – Publicação Official – Typographia Nacional, Rio de Janeiro 1880.
[9] Nota da “Cia. EF Leopoldina” de 14 de setembro de 1892 publicada em O Paiz, ed. de 15/9.

© Paulo Novaes 2019

Paciencia

A AGENCIA “PACIENCIA”

Existiram no estado quatro agencias com esse nome das quais três em estação ferroviária.

  1. ERJ 381 – estação Paciencia inaugurada em 1879 na EF Barão de Araruama entre Conde de Araruama e Conceição de Macabu. Em 1944 foi renomeada Macabuzinho.
  2. ERJ 1228 – agencia no povoado de Paciencia em São Gonçalo que, segundo o Guia Postal de 1906, era servido por uma estação inaugurada em 1888 pela EF Marica denominada Rio d’Ouro (nessa época uma parada) localizada entre Ipiiba e Inoã. O mapa abaixo, de 1953, mostra os locais, sem muita precisão (o fundo verde é Marica e o amarelo, Niteroi).
  3. ERJ 1228A – de acordo com o Boletim Postal de 1925 a agencia foi transferida do povoado para a estação, mantendo o nome Paciencia. Aparentemente a estação acompanhou esse nome até 1927. Ver ERJ 1230.

ERJ 1230 – o Indicador Postal de 1927 volta a se referir ao nome anterior, Rio d’Ouro, nome que conservou até 1946, quando o DOU já traz uma nota de agente postal servindo em Virajaba (ERJ 1230). Este seria o derradeiro nome dessa agencia, cuja última menção é de 1969, também no DOU. Com a extinção da estação e da agencia, o topônimo sumiu. Atualmente, o bairro é conhecido por Rio do Ouro (nº69 do mapa “rodovias 2005” apresentado em São Gonçalo).

  1. MRJ 593 – estação Paciencia inaugurada em 1897 no ramal de Mangaratiba no então Distrito Federal entre Campo Grande e Santa Cruz. A estação, de mesmo nome, foi criada na estação em 1909.

© Paulo Novaes 2019

A Estação Santa Fé do Macabu em Quissamã

A ESTAÇÃO SANTA FÉ DE MACABU – ERJ 1023 a 1025

Esta matéria foi publicada originalmente na página de Quissamã e tem agora nova versão corrigida e ampliada, cujo texto copio abaixo.

Para mais detalhes, imagens de carimbos e descrição das fontes, acesse Quissamã.

Começo por apresentar um fac-símile do verbete “Entroncamento” no trabalho R. Koester [1].

Faço no entanto uma ressalva. A citada agencia Santa Fé (30/07/1869), no meu entender, refere-se à homônima Santa Fé criada na estação do ramal de Porto Novo do Cunha que foi inaugurada alguns dias antes em 27/07/1869. Em situação idêntica, está a vizinha estação de Chiador, na mesma linha e com as mesmas datas de estação [2] e agencia [3]. Consequentemente, a primeira menção à agencia Santa Fe de Macabu aparecerá em 1875, como veremos a seguir.

Alguns dados: a EF Macaé e Campos inaugurou seu primeiro trecho, de Imbetiba a Macaé, em 02/08/1874 e o segundo, até a “estação de Macabu” – como referida no texto – em 11 de outubro de 1874 [4]. A agencia postal “Santa Fe de Macabu” foi criada “na estação” em 16 de dezembro de 1875 [5], v. imagem a seguir.

A EF Barão de Mauá foi licitada em 1876 e a construção se iniciou em 5 de dezembro de 1877 [6]. O projeto previa junção com a EFMC em uma nova estação apropriadamente nominada “Entroncamento”. Dela partiria também o ramal de Quissamã. Neste ponto há uma controvérsia. Seria essa a mesma “Santa Fé de Macabu”? A resposta pode estar em uma minúscula notinha em um desconhecido “O Cruzeiro” – jornal que circulou no Rio de Janeiro somente no ano de 1878 [7]. Veja a imagem.

Na nota, edição de 26/10/1878, lê-se que a Cia. EF Macaé e Campos pleiteou – e foi atendida – a transferência da estação Santa Fé de Macabu do km. 49 para o 47. Essa informação também consta do trabalho de R. Koester citado acima. Na imprensa, uma nota de viagem a Campos em 27/11/1878 relata que o “trem parou na estação de Santa Fé do Macabu para receber água” [8]. Este é talvez o último registro da estação nesse local.

A distância do deslocamento proposto também faz sentido quando a medimos no mapa. A cerca de três quilômetros da atual posição, seguindo a linha, está a ponte sobre o rio Macabu, às margens do qual estaria a estação originalmente. Está assinalado no mapa com o nº4.

A agência postal, contudo, continuou a se chamar “Santa Fé de Macabu” até que, em 29 de dezembro de 1886, uma pequena nota na imprensa informa que a agencia foi renomeada “Estação do Entroncamento” [9]. Finalmente, em 5 de agosto de 1897, o nome de agencia foi alterado para Conde de Araruama [10], acompanhando a estação [11]. A agencia fechou por volta de 1985 [12].

Paulo Novaes, agosto de 2019

Carimbologia

Este site é dedicado à história postal do Estado do Rio de Janeiro. A base do trabalho são as agencias postais e seus carimbos e marcas postais que permitem estabelecer com precisão a época em que funcionaram e sua localização geográfica.

Uma decorrência é uma grande coleção de carimbos que, por sua vez, podem ser organizados por tipos – um trabalho de carimbologia ou marcofilia. Esse capítulo foi publicado pela primeira vez em agosto de 2013. Assim, depois de cinco anos, era hora de uma revisão completa. Esse trabalho está pronto e pode ser consultado no menu Carimbologia. Tenho a certeza que contem muitas informações interessantes e, quem sabe? pode motivar outros colecionadores. Agradeço as contribuições e comentários.

Como aperitivo, anexo abaixo imagem de um envelope recém chegado à coleção. Trata-se de carta registrada enviada  de Reggio Emilia, uma comuna italiana da região da Emilia-Romagna (próxima à Bolonha). Postada em 3 de setembro de 1958, foi recebida em 4 de setembro às 13h30 na recém-inaugurada agencia do Aeroporto do Galeão, conforme o curioso e original carimbo de recepção. Reencaminhada ao destino em SP foi recebida dia 8 na sua 4a. seção. Como o endereço inexiste, foi devolvida ao remetente conforme o carimbo de serviço “EN RETOUR”.

O carimbo obliterador comemorativo indica a “Visita del Presidente Della Repubblica in Brasile” aposto sobre o selo “Amicizia Italo-Brasiliana” emitido em 1958. Neste dá para ver que o avião liga o Arco de Trajano em Roma a um mapa do Brasil no centro do qual está o edifício do Congresso em Brasilia – que em 1958 ainda estava sob andaimes – curioso, não?

O carimbo no verso informa que a carta foi enviada em “Volo speciale Alitalia Roma-Rio de Janeiro”.  Trata-se da visita do Presidente Giovanni Gronchi homenageado também pelos Correios do Brasil com selo comemorativo lançado em 4 de setembro. Coisas da Filatelia.

Um curioso bilhete postal

Trata-se de um inteiro “Carte Postale” escrito e postado em Paris na agencia “Place de la Bourse” em 13 de maio de 1914 e obliterado com carimbo mecânico de rolo . Está endereçada ao Sr. Dr. Antonio de Almeida, residente na Villa Sarah, casa 1, no bairro do Andarahy, Rio de Janeiro. Segundo pude averiguar, essa vila ficava no número 20 da rua Dr. Ferreira Pontes naquele bairro.

No verso há o carimbo de recepção no Rio na 2a. Distribuição da 2a.Secção do Correio Central datado 22.V.14, posteriormente encaminhado à Succursal de Villa Izabel onde foi recebido em 29.V.14. Nesse mesmo dia, há uma anotação manuscrita: “mudou-se pª lugar ignorado. 29/5/914 J.Vianna” e outra, logo a seguir: “Confirmo a nota 1/6/1914 Adelino Correa”. Um carimbo preto retangular “PARTI / Mudou-se” oficializa a situação.

O próximo carimbo, em azul, é da mesma sucursal e datado 15.X.14 acompanhado de outro da mesma cor “RETOUR / Não-Reclamada”. Eu creio que, como o endereço do remetente não havia sido preenchido no local reservado, a carta foi encaminhada ao Refugo pela 8a. Secção em 21.X.14.

Esse último carimbo da 8a. Secção levanta interessante discussão sobre a existência dessa seção no Correio central nessa data e sobre suas atribuições. Para quem tiver interesse, esse tema está coberto em profundidade no menu 8a. Secção.

Paulo Novaes

LUBRAPEX 2016

Lubrapex - CópiaAcabo de voltar de Viana do Castelo, em Portugal, onde teve lugar a exposição internacional Lubrapex 2016.

Gostaria de compartilhar com vocês o prazer de ver reconhecido o meu site, que recebeu a medalha  Vermeil Grande naquele certame.

Fica meu agradecimento àqueles que têm me apoiado nesta empreitada.

Um abraço,

Paulo Novaes

 

Estação de Mendes

Estação de Mendes

O distrito de Santa Cruz dos Mendes foi criado no município de Piraí em 29 de setembro de 1855. A agência postal veio logo depois, em 20 de janeiro de 1856. Nessa época, já estava em construção a Estrada de Ferro Dom Pedro II. A estação de Mendes foi inaugurada em 7 de agosto de 1864.

O belo Bilhete Postal copiado acima tem um carimbo “Est. de Mendes“, que não é muito comum. Ele foi enviado em 11 de junho de 1907 e chegou a Viena em 2 de julho. Três semanas, nada mal!

Centro Marista São José das Paineiras

O remetente indica no texto o Colégio São José como origem da missiva. Uma pesquisa na internet mostrou que se trata do tradicionalissimo estabelecimento de ensino carioca inaugurado em 1739. Já o Centro Marista de Mendes foi construído em 1903 na antiga Fazenda São José das Paineiras em Mendes para ser a Casa de Formação dos Irmãos Maristas (vide imagem acima).