Agencia 1º de Março

Agência Rua Primeiro de Março (1865 – 1881)

Um pouco de história

No primeiro reinado o decreto s/n de 5/3/1829 alterou o nome do serviço para Correio Geral da Corte (CGC) utilizado na legenda superior dos carimbos. Já no segundo reinado, o decreto de 29/11/1842 introduz o selo postal inutilizado por carimbo [1].

No início da década de 1860, criticava-se os serviços dos Correios por estarem defasados tecnicamente. Consta também que Luiz Plinio de Oliveira teria sido enviado à Europa já em 1861 para conhecer as melhores práticas dos correios locais [2]. Este senhor seria nomeado Diretor Geral dos Correios em 18 de dezembro de 1865 [3].

De qualquer forma, uma notável iniciativa do Império foi o Decreto 3.443 de 12 de abril de 1865 aprovando um novo regulamento [1]. Somados às instruções que detalhavam a aplicação das medidas contidas do decreto, notam-se vários impactos  na organização e operação dos Correios, conforme veremos a seguir.

Do ponto de vista organizacional, é extinto o cargo de Administrador Geral dos Correios da Corte, que passa a ser acumulado pelo Diretor Geral dos Correios. Assim permanecerá até a república.

  • Nota-se a alteração da legenda dos carimbos de Correio Geral da Corte para “RIO DE JANEIRO“ que apareceram em 1866.

Os primeiros a trazer essa alteração foram carimbos cujo layout lembram os últimos do CGC com datadores em cruz formada pelo datador.  Como exemplo, carta recebida no Rio de Janeiro em 26/08/1866, uma das primeiras a trazer a nova legenda (exemplar da coleção K.L.)

Seguem-se diversos tipos de carimbos com a mesma legenda que foram apelidados de “Circulares Typo Primitivo” por Paulo Ayres (PA 1623 e ss.).

Nota-se que a estratégia que gerou o decreto de 1865 já previa novidades nos selos e carimbos. As emissões postais abandonariam os numerais e passariam a trazer a efígie do imperador, sendo impressos no American Bank Note. A primeira série, Dom Pedro II, possuía 7 valores e denteação 12, sendo lançada em 1º de julho de 1866. Ficou conhecida como “barba preta”.

O processo de obliteração passaria a usar carimbos “mudos” para inutilizar os selos e “falados” para indicar a data e o local de postagem; estes últimos haviam sido encomendados provavelmente na França, e assim ficariam conhecidos como Tipo Francês. A grande novidade seria a padronização em todo o território nacional. O primeiro conhecido foi utilizado em S. Paulo em 12 de setembro de 1866.

A sede da Diretoria Regional dos Correios esteve desde 1842 em terreno próprio na então Rua Direita, 52 onde funcionavam também as áreas operacionais. Por volta de 1866 foi criada de facto uma agência postal nesse endereço, conhecida pelo nome da rua: Rua Direita, sede da DR. Seu nome mudou para Agência Rua Primeiro de Março em 1870, acompanhando a alteração do nome da rua, feita em homenagem ao fim da guerra do Paraguai.

Carimbos dessa agencia  circularam até cerca de 1882 quando a reorganização da estrutura dos Correios prevista no bojo do Decreto de 1865 passou a ser implementada com o uso de carimbos próprios pelas “Secções” do correio central (ver menu As Secções).

A planilha a seguir consolida e descreve os tipos circulados de 1866 a 1882 na parte inferior da tabela e reapresenta os tipos CGC para referencia :

Imagens dos carimbos da Agencia Primeiro de Março

O regulamento de 1865 citado anteriormente trouxe em seu bojo a novidade de acabar com o uso da legenda Correio Geral da Corte e substitui-la por Rio de Janeiro. Os primeiros exemplares conhecidos mostram o caráter de transição dos desenhos, que mantém o datador em cruz e substitui a legenda.

Os carimbos IMP 7a e 7b  são dois subtipos, com diferentes pares de letras ao centro do datador. Sendo os primeiros da agencia, apresentam o mesmo desenho dos últimos tipos CGC (IMP 6) catalogados no menu Correio Geral da Corte, onde também se pode encontrar a origem histórica desse tipo de carimbo.

IMP 7a letras IM (turma da Importação, turno da Manhã): fac-símile de carta postada em 19 de agosto de 1866 em Pernambuco e recebida no Rio no dia 26. Exemplar da linda coleção K.L. de franquias mistas numerais x D.Pedro.


IMP 7b – letras IT – (turma da Importação, turno da Manhã): reprodução da coleção P.R.L.C. Vale notar que não encontrei o tipo similar IT na legenda CGC. Também não tenho notícia dos possíveis tipos EM e ET.


IMP 8: fac-símile de carta postada no Espirito Santo e endereçada ao Rio (coleção K.L.). Duplo carimbo de recepção em 10 de janeiro de 1867, um tipo IMP 8 azul e outro francês, tipo que veremos a seguir. A segunda imagem apresenta o mesmo carimbo de trânsito com data de 13 de setembro de 1866


IMP 9 até IMP 12– variantes do famoso tipo “francês”. O desenho desse carimbo é considerado o primeiro a ter expressão nacional. Bonito, legível e com boa qualidade gráfica. Um clássico, que circulou por quase 50 anos. A tabela a seguir lista os principais subtipos. A maior parte das reproduções é da coleção K.L. de franquias mistas. A tabela inicial descreve as principais características de cada tipo.


IMP 13 e IMP 14 – carimbos muito semelhantes aos IMP 7 e IMP 8 e, pelas datas, provavelmente seus sucessores, tendo circulado em 1867 e 1869. Desta vez trazendo os turnos Manhã e Tarde na legenda inferior. As imagens abaixo são de duas cartas da França para o Rio de Janeiro e nota-se o uso dos carimbos para recepção. Imagens da coleção P.R.L.C.


IMP 15 (PA 1624) – carimbo de expedição largamente utilizado. As imagens 1, 3 e 4 são fragmentos da coleção do autor e as demais fac-símiles da coleção K.L.


IMP 16 – belo carimbo de circulo único com florão cruz de malta. Dá para notar o uso de dois datadores: um com corpo maior (1870) e outro com datador quase ilegível (1868-69). O primeiro exemplo é um fragmento de carta com destino a Paris da coleção do autor e os demais são fac-símiles da coleção K.L.


IMP 17 – carimbo semelhante ao IMP 15, porem com diâmetro menor (20×12 contra 24×15). A primeira imagem é carta da coleção do autor, postada no Rio de Janeiro em 27 de setembro de 1876 com carimbo de chegada a Curitiba em 2 de outubro. Os demais fac-similes são da coleção K.L.


IMP 18 – carimbo semelhante ao anterior, porem o florão desta vez traz o asterisco entre parenteses. A primeira imagem é de carta da coleção do autor, postada no Rio de Janeiro em 20 de outubro de 1874 e recebida em Altricham (UK) em 10 de novembro. Fac-similes da coleção K.L.


IMP 19 – tipo semelhante ao IMP 16 com florão cruz de malta, com a diferença que este possui duplo circulo. As imagens são da coleção do autor.


Os dois tipos seguintes, circulados em 1882, podem ser considerados como uma transição entre os “tipos da agencia 1º de março” e os primeiros utilizados a partir de 1882 nas quatro seções em que se reorganizou o correio central. Esses serão apresentados no próximo menu “As Secções”.


IMP 20 – carta da coleção do autor postada na Corte em 1882 com destino a Itapemirim recolhendo porte ‘interior’ de 100 Rs. O carimbo apresenta na legenda inferior parenteses vazios e tem grande semelhança  com o tipo IMP 24 que está apresentado na 2a. Secção, que circulou em 1884 e possui o algarismo 2 dentro dos parenteses.


IMP 21 – carta da coleção do autor postada na corte tambem em 1882 e destinada ao exterior (notem o datador do ano em tipos pequenos). Não possui legenda inferior.


Veja continuação da apresentação dos tipos do Império no Menu “As Secções“.


Notas e informações

[1] História dos Correios, agenciaspostais.com.br/?page_id=11500

[2] Materia publicada no Correio Mercantil do RJ em 25 de março de 1863.

[3] Nota no O Cearense do CE em 13 de janeiro de 1866

 

© 2016-2020 www.agenciaspostais.com.br (atualizado em abril de 2020)