Saude a Sepetiba

Localização das Agências Postais do Município do Rio de Janeiro

IMAGENS, HISTÓRIAS E CURIOSIDADES SOBRE AS AGÊNCIAS

SAÚDE

Pequeno bairro da zona portuária do Rio, encravado entre o Centro e o bairro da Gamboa, Saúde deve seu nome à igreja de Nossa Senhora da Saúde, construída em 1742. 

O Cais do Valongo (mapa de 1858 por McKinney & Lieder)

Em 2011, durante as escavações realizadas como parte das obras do Porto Maravilha, foram encontrados vestígios do Cais do Valongo e uma grande quantidade de objetos trazidos pelos escravos africanos. A descoberta despertou grande interesse histórico e o local foi declarado patrimônio da humanidade pela Unesco em 2017.

História
Até meados da década de 1770, os escravos desembarcavam na Praia do Peixe, atual Praça XV, e eram negociados na Rua Direita – hoje Rua 1º de Março, no centro do Rio de Janeiro. Em 1774, uma nova legislação estabeleceu a transferência desse mercado para a região mais discreta do Valongo, por iniciativa do segundo Marquês de Lavradio.
Como ainda não havia o ancoradouro, a alternativa foi desembarcar os escravizados na alfândega e enviá-los de bote à praia do Valongo. Somente em 1811 o cais seria construído, passando o desembarque a ser feito diretamente no denominado Cais do Valongo. O comércio de escravos teve seu auge entre 1808, com a chegada da família real portuguesa, e 1831, ano da proibição do tráfico negreiro.
A ligação do cais com a cidade se fazia pela rua do Valongo que seguia pela passagem natural entre os morros do Valongo (da Conceição) e da Providência. Entre as transversais Rua da Princeza e Rua do Principe, a Valongo formava uma praça triangular conhecida por Largo do Depósito, pois aí ficava o Depósito Público e vários armazéns dos negociantes que utilizavam o Cais do Valongo.
Em 1843 o arquiteto francês Grandjean de Montigny foi encarregado de reurbanizar a praça para recepcionar a princesa Teresa Cristina, futura esposa de D. Pedro II. Foi feito um aterro de sobre o cais que foi rebatizado “Cais da Imperatriz”. Ao mesmo tempo, a rua Valongo e o Largo de depósito foram rebatizados respectivamente Rua e Largo da Imperatriz.

O Correio Urbano
Chegamos ao ponto do nosso interesse pela região. Como vimos na história do Correio Urbano, a implantação se inicia com o Regulamento de 17 de julho de 1845 que, em seu artigo 1º, dizia que a partir de 11 de agosto haveria três caixas “de correio urbano”, uma das quais no nosso Largo da Imperatriz. As duas outras nos atuais Largo do Machado e na Rua Frei Caneca.

Situação atual
O Cais da Imperatriz foi logo depois renomeado Praça Municipal, principal logradouro do bairro. Recebeu agencia em 1898, transformada em sede de uma das sucursais dos Correios em 1902. Hoje, mutilada, é a Praça Jornal do Commercio (ver matéria a seguir). A Rua da Imperatriz é hoje a Rua Camerino (neste trabalho, catalogada no Centro). Por fim, o Largo da Imperatriz foi renomeado Praça dos Estivadores no início do sec. XX e, revitalizada no bojo do projeto Porto Maravilha, hoje integra o Circuito Histórico e Arqueológico de Celebração da Herança Africana.

***

Praça Municipal 

Os aterros para as obras do cais do porto na década de 1910 mudaram a fisionomia do bairro. Boa parte da praça foi ocupada por armazéns e mais tarde pelo Hospital dos Servidores. O que restou é um pequeno retângulo de concreto na esquina da rua Sacadura Cabral, nome que politicamente substituiu a rua da Saúde que dava nome ao bairro. O novo nome da praça homenageia uma empresa jornalística cuja sede esteve nas proximidades. Nem isso sobrou: a empresa, de quase 200 anos, fechou em 2016 e seu prédio está abandonado.

A Sucursal nº6 foi criada em 1902 e transferida em 1932 para o bairro da Cidade Nova com o nome de Praça Onze de Junho mas renomeada Cidade Nova em 1933. Mais informações sobre as sucursais do Distrito Federal podem ser consultadas em História Postal


Carimbos do bairro da Saúde


SENADOR CAMARÁ

Populoso bairro da zona oeste, vizinho a Bangu, deve seu nome à estação “Senador Camará” do Ramal de Santa Cruz, inaugurada em 1923, cujo nome homenageia Otacílio Camará,  Deputado e  Senador da Republica entre 1915 e 1920. A agência postal é de 1930 (que durou pouco tempo e da qual infelizmente não tenho exemplares).

Carimbos do bairro de Senador Camará


SENADOR VASCONCELOS

O bairro de Senador Vasconcelos, à semelhança do anterior, também deve seu nome à estação do Ramal de Santa Cruz, inaugurada em 1914. Ela homenageia o Senador Augusto Vasconcelos, político originário do vizinho bairro de Campo Grande. Não lhe conheço carimbos.


SEPETIBA

Bairro vizinho a Guaratiba e Santa Cruz, é banhado pela baía de mesmo nome. No início do século XIX, Sepetiba passou a ser frequentada no verão pela família Real, que utilizava uma propriedade denominada “Casa de Esquina”, onde está a atual Praça Washington Luiz.  Esta é provavelmente a razão para Sepetiba ter sua agência postal já em 1867. Uma linha de bondes ligando-a a Santa Cruz foi  inaugurada em 1884.

Carimbos de Sepetiba 

© 2012-2021 www.agenciaspostais.com.br (atualizado em maio de 2021)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *