Itaborai

itaborai

MUNICÍPIO DE ITABORAÍ

Um dos mais antigos municípios fluminenses, Itaboraí tem suas origens ligadas a uma capela fundada em 1597 e dedicada a São João Batista. A freguesia de São João de Itaboraí foi estabelecida ali em 18 de junho de 1696. Em 15 de janeiro de 1833 foi criado o município, mantendo esse mesmo nome, simplificado mais tarde para Itaboraí, quando a vila foi elevada a cidade em 16 de janeiro de 1890.

AGÊNCIAS POSTAIS

 

CURIOSIDADES, HISTÓRIAS E IMAGENS SOBRE AS AGÊNCIAS

ERJ 464 – ITABORAÍ

A história da região remonta ao século XVII, estando muito ligada inicialmente aos engenhos que comercializavam o açúcar em caixas através do Porto das Caixas (v. abaixo). Sua agência postal data de 1829, segundo NM. Como nos municípios vizinhos, sua economia sofreu com a degradação do meio ambiente no entorno da baía da Guanabara e também com a abolição da escravidão. É hoje o local de instalação do futuro complexo petroquímico da Petrobras.


ERJ 487 – O MUNICÍPIO DE SANTO ANTONIO DE SÁ (hoje extinto)

As ruínas do convento de São Boaventura é o que restou do povoado.

Em 1567 foi erigida às margens do Rio Macacu a capela de Santo Antonio . O povoado foi elevado a Curato em 1612 e a Freguesia pelo alvará régio de 10 de fevereiro de 1647 com o nome de Santo Antonio do Caceribu. Foi primeira a se estabelecer na baixada fluminense. Em 5 de agosto de 1697 foi elevada à Vila, com o nome alterado para Santo Antonio de Sá. O município foi extinto  em 1875 e sua tumultuada história está contada em detalhes neste site no menu Historia Postal. Clique aqui para conhecê-la.

É de lamentar que minha coleção não contenha um único carimbo desse município.


ERJ 491 – SÃO FRANCISCO DE SÁ

Tenho somente fragmentos sobre a localização dessa agência. O fato que as datas de criação e fechamento – ambas em 1896 – constam claramente nos respectivos Boletins Postais. Considerei a hipótese que o boletim tivesse confundido São Francisco com Santo Antonio de Sá mas, nesse ano, a agencia postal dessa última ainda estava ativa, pois foi fechada somente em 17 de setembro de 1897.

A unica referencia que o buscador encontra com essa nome está em http://viscondedouruguai.blogspot.com/2009/06/ponte-sobre-o-paraiba.html  Desta selecionei o seguinte trecho:

“O Relatório começa informando a instalação da Diretoria de Obras Públicas, criada pela Lei Provincial de 19 de dezembro de 1836, organizada em quatro seções geográficas e chefiada pelo Coronel João Paulo dos Santos Barreto. O detalhamento é feito seção a seção, com grande riqueza de informações e descrições. (…) A terceira seção tinha por limites a fronteira com Minas Gerais, o rio Macacu e os municípios de Niterói e Maricá. Compreendia os extremos de Nova Friburgo, Cantagalo e Itaboraí e mais o de Macacu. O engenheiro Carlos Rivière era seu chefe. As principais obras eram os consertos na estrada de Cantagalo, a ponte do Casseribu, a estrada do Tipoda, em São Francisco de Sá, o canal entre os rios Macacu e Casseribu”.

Por outro lado, na nota 26 do artigo de 1937 intitulado “Vilas Fluminenses Desaparecidas – Santo Antonio de Sá”, de autoria do Dr. José Matoso Maia Forte, consta o seguinte parágrafo:

A viagem a Santo Antonio de Sá faz-se pela estrada tronco norte fluminense até Venda das Pedras. Aí toma-se a estrada para Porto das Caixas e nesse lugar toma-se outra estrada, o Aterrado do Tipotá, e chega-se às terras de uma fazenda que se atravessa para chegar ao outeiro sobre o qual foi construída a vila”.

Da análise dessas referências, parece-me que ambas se referem ao Aterrado do Tipotá, (ver mapa abaixo), ou seja, ao mesmo local geográfico, mas em épocas diferentes: a primeira em 1836 e a segunda em 1937 – ambas distantes de 1896, data da agencia. Permanece o mistério.


ERJ 467B – VILLA NOVA DE SÃO JOSÉ D’EL-REI

Quando falamos da extinta vila de Santo Antonio de Sá, vimos que em 1565 uma esquadra comandada por Estácio de Sá, foi enviada ao Rio de Janeiro para estabelecer bases de proteção contra as invasões francesas. Para isso contaram com a adesão de algumas tribos indígenas que, em recompensa, receberam lotes de terra. Assim se constituiu a aldeia de Cabuçu no território do atual Itaboraí. Doutrinados em 1584 pelo padre José de Anchieta a aldeia em 1705 foi transferida para um local próximo, mais salubre, onde foi construída uma capela dedicada a São Barnabé. O curato foi elevado a freguesia em 15 de novembro de 1759.

Em 1772 o Vice-Rei D. Luiz d’Almeida lhe conferiu o título de vila, com o nome de Villa Nova de São Jose d’El-Rei. O senado da camara foi organizado com metade índios e metade brasileiros. Infelizmente não houve o progresso esperado e em 1833 a Assembleia Legislativa (AL) Provincial suprimiu o título de vila que voltou a ser um Curato subordinado à Freguesia de Nossa Senhora do Desterro do Tamby que havia sido elevada em 1755 e mais tarde subordinada à Vila de Itaboraí que por sua vez seria elevada a município em 1833.

Uma série de mudança de nomes levou a freguesia a NS do desterro de Vila Nova, Vila Nova, Itambi (1911), novamente Vila Nova em 1933 e finalmente Itambi em 1938, constituindo o 3º distrito de Itaborai. Suponho que o ‘Curato dos Indios’ acabou sendo extinto.

Da agencia Villa Nova de São Jose d’El-Rei só tenho notícias através de uma nota do Correio Official  comunicando sua extinção 23/06/1835 “por ja não ser hoje necessaria” (de fato, o município tinha sido extinto em 1833). Falta-me lamentavelmente a DCA, por supor que seria uma das mais antigas agencias do estado. Não tenho conhecimento de carimbos. Quem sabe alguem?

Fontes: Dicionario Geografico do Imperio, IBGE e notas da imprensa da época.


Carimbos de Itaboraí

© 2011-2020 www.agenciaspostais.com.br (atualizado em abril 2020)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *