Linhas 35, 36 e 37

As linhas 35 e 36 foram construídas em sequência ligando a baia de Guanabara ao rio Paraíba. A 37 se interligaria com elas e também com Minas Gerais através da EF Leopoldina.

Linha 35 – Estrada de Ferro do Cantagalo

O transporte de mercadorias entre a capital e o interior era tradicionalmente feito com embarcações que cruzavam a Baia de Guanabara e subiam o rio Macacu até o entreposto do Porto das Caixas de onde partiam as tropas de animal carregando as caixas, origem do nome da localidade. Situada no atual município de Itaboraí, o porto ficava próximo a Santo Antonio de Sá, sobre o qual tenho um artigo histórico que inclui Santa’Anna de Macacu logo abaixo.

A S.A. Estrada de Ferro do Cantagalo teve seus estatutos aprovados em 1857 e em 1859 os trabalhos se iniciaram no Porto das Caixas com destino a Cantagalo. O primeiro trecho passava por Sant’Anna de Macacu, chegando em 1860 a Cachoeiras (atual Cachoeiras do Macacu). A agencia postal do local é do mesmo ano.

Por alguns anos, a obra esteve paralisada até sair a autorização do governo em 1868, quando as trabalhos foram retomados, chegando os trilhos a Nova Friburgo em 1873. Entrementes, a companhia em1871 recebeu a autorização para o prolongamento até Macuco, o que aconteceu em 1876. A estação terminal foi inaugurada em 18 de setembro daquele ano e a agencia postal criada em 21 de outubro Esse último trecho pode ser visto no mapa junto à linha 36 abaixo.

Em 1877, no entanto, o governo da Província rescindiu o contrato com a companhia, ficando com a posse da estrada [1].

Correio Ambulante

Nota-se que esta linha teve um grande movimento de correio ambulante, como se pode ver na tabela de tipos e, mais abaixo, na reprodução dos carimbos.

 Carimbos do correio ambulante

Agencias Ferroviarias


 


Linha 36 – Ramal de Portela ou Ramal Férreo de Cantagalo

Vimos na linha 35 que o contrato da E.F. Cantagalo foi rescindido em 1877, com a linha terminada até a estação de Macuco. Persistia porem a intenção de uma ligação ferroviária com o estado do Espirito Santo a leste. Essa ferrovia foi licitada em partes, como se pode ver na tabela abaixo.

O trecho de Cordeiro até Cantagalo entregue em 1876, até Santa Rita do Rio Negro (Euclidelândia) em 1878, Laranjais em 1880 e Itaocara em 1882. O trecho final até Portela foi construído em 1890 pela E.F. Macaé e Campos. Quase todas as estações possuíam agencia postal, sendo a de Portela, classe A, criada também em 1890.

Embora a estação Tres Irmãos da linha de Padua estivesse na margem oposta a Portela, a ponte não foi construída e a ligação com o Espirito Santo ficaria mesmo com a EF Carangola por Campos dos Goitacazes (linha 51).

Correio Ambulante

Agencias Ferroviarias

Nota [1]: texto baseado no livro A Formação das Estradas de Ferro no Rio de Janeiro, de Helio Suêvo.

 


Linha 37 – Ramal do Sumidouro

Transcrevo abaixo a matéria publicada no município de Sumidouro, que aborda em detalhe a construção desse ramal e onde podem ser vistos os exemplares de carimbos desse município.

O Ramal do Sumidouro foi licitado inicialmente pelo decreto 7046 de 18 de outubro de 1878 [1]. Constituída a EF Sumidouro, seu primeiro trecho seria ligar a estação de Entroncamento (Melo Barreto) no km 6 da E F Leopoldina (MG) ao municipio de Sumidouro. Os trabalhos começaram em 1882 [2] com a construção da ponte sobre o rio Paraíba. Resumindo, sabemos que em 16 de junho de 1885 “uma locomotiva chegava pela primeira vez à fazenda Bella Joanna, a última estação do Ramal do Sumidouro” [3].

Neste ponto, vale um comentário sobre os topônimos. O rio Paquequer é afluente do Paraíba e possui uma característica curiosa: seu leito fica subterrâneo por centenas de metros, ressurgindo à frente. Isso fez com que a região fosse conhecida por “sumidouro”. Nesse local, em 1843 foi criada a freguesia de NS da Conceição do Paquequer. Esta seria elevada à município com o nome de Sumidouro somente em 1890, com sede no Arraial do Sumidouro.

Bella Joanna ou Sumidouro?

Desde maio de 1885 ouvia-se falar de negociações para transferência do controle da EFS para a EF Leopoldina [4]. O fato é que, em 25 de julho de 1885 a Leopoldina publica uma tabela completa de horários de seus trens a vigorar naquela data. No quadro “Ramal do Sumidouro”, relaciona os horários das estações Paquequer, Carmo, S. Francisco e Sumidouro [5]. Conclui-se daí que o nome dado à estação na fazenda Bella Joanna foi, de fato, Sumidouro.

A Companhia Leopoldina obteve em 27 de setembro de 1886 [5a] autorização para prolongar a linha “desde o logar denominado Fazenda Bella Joanna, onde tem hoje sua estação terminal, até o Arraial do Sumidouro (…)

A nova estação Sumidouro foi inaugurada dia 28 de novembro de 1886 [6]. Essa mesma nota nos informa sobre o novo nome da estação Bella Joanna: “o novo trecho da via-ferrea, que acaba de ser inaugurado na mesma ocasião, parte da estação de Bella Joanna (…)”.

A agencia postal Bela Joana seria criada na estação em 13 de novembro de 1886. [7] Sumidouro tem a mais antiga agencia da região, criada em 1842.

Notas e fontes
[1] Gazeta da Tarde 18/10/1885
[2] Gazeta de Noticias 17/08/1882
[3] Diario de Noticias 22/06/1885
[4] De fato, essa transferência só seria oficializada pelo decreto  9508 de 17 de outubro de 1885, cf nota na Gazeta da Tarde do dia 18/10/1885
[5] Jornal do Commercio 25/07/1885
[5a] Gazeta da Tarde ed. 01.10.1886
[6] Gazeta de Noticias ed. 01/12/1886
[7] Gazeta de Noticias ed.13/11/1886
[8] Recomendo a leitura do site estaçõesferroviarias.com.br de Ralph Giesbrecht que tambem traz informações sobre essas duas estações.

 


Correio Ambulante

Imagens de carimbos

Agencias Ferroviárias

Vale notar a existência de duas estações “Sumidouro” conforme matéria no inicio do capítulo.

© 2014-2020 agenciaspostais.com.br