Mendes

mendes

MUNICÍPIO DE MENDES

O distrito de Santa Cruz de Mendes foi criado em 29 de setembro de 1855 e subordinado a Piraí. Em 1890 foi criado o município de Barra do Piraí, desmembrado de Piraí, ao qual o distrito de Mendes foi anexado em 10 de março do mesmo ano. Assim permaneceu por mais de 50 anos.  Sua independência veio a 11 de julho de 1952, com o nome simplificado para  Mendes.

AGÊNCIAS POSTAIS

REDE FERROVIÁRIA

As datas ferroviárias da tabela acima estão baseadas nos Relatórios “Estatísticas” do Ministério de Industria, Viação e Obras Publicas relativos ao anos de 1910-1918.


HISTÓRIA, CURIOSIDADES E IMAGENS DE AGÊNCIAS


ERJ 662 – Mendes

Segundo a tradição, a ocupação das terras teve início com a Fazenda Santa Cruz, de propriedade do Barão de Santa Cruz, transferida posteriormente para a família Mendes. O Arraial dos Mendes tem seu primeiro registro em 1847 e a partir daí a vila cresceu e, por volta de 1850, passou a ser conhecida por Santa Cruz dos Mendes. A partir daí, desenvolveu-se na região o cultivo do café (fonte: Wikipédia).

Mendes teve duas estações na região metropolitana. A primeira foi inaugurada junto com o trecho de EF D. Pedro II em agosto de 1864 (A no mapa). Hoje desativada e utilizada como moradia na imagem abaixo (Google Maps).

Em 1911 uma nova estação foi construída bem mais próxima ao centro com o nome de “Parada Mendes”, considerada até hoje um cartão-postal da cidade (B no mapa; a imagem é da Wikipedia).

Em homenagem ao Engenheiro João Nery Ferreira ela receberia seu nome em 15/11/1926 (nota em A Manhã -RJ ao lado). Conforme nos informa o relatório ministerial, ambas as estações continuariam a ser pontos de parada dos trens da linha.

 

 


ERJ 663 – Engenheiro Morsing (1902-1916)
ERJ 664 – Martins Costa (ex-663) (1916- )
ERJ 665 – Morsing (1927- )

O nome das agencias acompanhou a dança de nomes das estações, como veremos abaixo. Vale uma observação quanto à data da agencia “Morsing”, criada aparentemente mais de dez anos após a inauguração da estação. O BP nos informa entretanto que a agencia estava sendo “restabelecida”. Teria havido uma anterior?

Carlos Alberto Morsing, sueco naturalizado brasileiro e formado em engenharia nos Estados Unidos, participou de diversos empreendimentos ferroviários no Brasil, inclusive da EF Madeira-Mamoré, onde chefiou a conhecida “Comissão Morsing”.

No trecho inaugural em território de Mendes, a terceira estação, “Engenheiro Morsing” recebeu seu nome em 1894. Entretanto, em 1912 a estação seria renomeada em homenagem a M. A. de Martins Costa, chefe da Seção Técnica da 5ª. Divisão da ferrovia que trabalhou nas obras de duplicação da linha.

Morsing não seria esquecido e seria outra vez homenageado com a nova estação – a 4ª da linha – inaugurada em 1914. (mas, não custa  perguntar, por que não deram logo o nome de Martins Costa à nova estação, para evitar esse troca-troca?).

 


ERJ 665A – Tunel Grande

A subida da Serra do Mar exigiu a construção de uma série de 13 túneis pela Estrada de Ferro D. Pedro II. Inaugurado em 1865, o Túnel Grande tem 2.236 metros e liga Paulo de Frontin a Mendes. É o maior túnel ferroviário do país. Na saída do túnel foi construída em 1894 a estação Tunnel Grande, “para servir à fábrica Itacolomy”. Renomeada mais tarde Cristiano Ottoni e finalmente Humberto Antunes, nome também adotado pela comunidade local. Ver matéria a seguir.

Christiano Ottoni (1811-1896), engenheiro brasileiro, foi presidente da EFDP II entre 1855 e 1865.

Humberto Saraiva Antunes, sub-diretor da 3a. Divisão e que participou dos trabalhos de duplicação na Serra do Mar.

 *  *  *

Um testemunho pessoal

A Fábrica de Papel Guttemberg, fundada em 1889 em Mendes, renomeada Itacolomy na virada do século foi o segundo estabelecimento do gênero a ser implantado no Brasil. Em 1923 foi adquirida pelo Conde Alessandro Siciliano já rebatizada Companhia Indústria de Papéis e Cartonagem – CIPEC – chegou a ter mil operários. Ela é um exemplo de patrimônio a ser preservado – e está em andamento um projeto de tombamento.

A estação Túnel Grande foi aberta para possibilitar a carga e descarga da fábrica, que dispunha para a conexão de uma pequena linha férrea particular com cerca de 3 km de extensão  e tração animal. Em 1912, a linha foi eletrificada e nela passaram a circular pequenos trens de carga elétricos ou a gasolina (autos de linha) para o transporte de funcionários.

Meu avô materno, Henry Pierre Léonard Ruchaud, era engenheiro francês especializado em fabricação de papel que veio nos anos 1910 trabalhar no Brasil. Montou diversas plantas em vários estados e, por volta de 1918, veio dirigir essa fábrica. Minha mãe, Hélène Marie, nasceu em Mendes em 5 de maio de 1921. Lembro-me dela contando que, quando criança, morava num lugar onde havia um trenzinho para levá-los para casa. Nunca entendi bem isso e só agora me dei conta sobre o que ela falava. Uma das imagens abaixo mostra a chácara da fábrica com residências para os executivos, onde a família deve ter morado. Minha avó era Laura Dalle Nogare, italiana e também imigrante. Nessa época, eles já tinham três filhas. As imagens são do site http://www.portaldemendes.com.br/.

Ver também Paracambi, onde trabalhou em 1914 na montagem de outra fábrica de papel (e casou com Laura)

A chacara da fabrica, com residencias para os gerentes.

A chácara da fabrica, com residências para os executivos.

O trenzinho para transporte dos funcionários

O trenzinho para transporte dos funcionários

Vista panoramica das instalações

Vista panorâmica das instalações

A linha particular para transporte de produtos para a estação.

A linha particular para transporte de carga para a estação.

 


 

© 2011-2021 www.agenciaspostais.com.br (atualizado agosto 2021)

2 pensou em “Mendes

  1. Olá. Procuro informações sobre um imóvel que pertenceu a Henri Pierre Leonard Ruchaud em Juiz de Fora, será que você teria? Foi adquirido por ele em 1948. Não sei como entrar em contato para maiores detalhes, se puder me enviar um e-mail, é Pablopcosta@Yahoo.com.br. obrigado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *